Policial Violento/Violent Cop (その男、凶暴につき) [1989]

Primeiro filme dirigido pelo mestre da violência estética TAKESHI KITANO que também viria a ser o responsável por revitalizar o gênero Yakuza nos anos 1990.
Kitano já era conhecido no Japão pelo nome artístico de Beat Takeshi onde ele fazia parte de um programa humorístico da televisão japonesa. Em 1989 o diretor Kinji Fukasaku (grande mestre dos filmes da Yakuza, tendo dirigido filmes como Batalhas sem Honra e Humanidade e Alugados pelo Inferno) foi escalado para dirigir este ‘Policial Violento’ mas declinou ao saber que o ator principal (Kitano) tinha apenas dez dias disponíveis para gravar por conta de sua agenda lotada com um programa de TV. Kitano então pegou o cargo de diretor e reescreveu o roteiro, retirando todas as partes de humor, e o transformando em um drama sombrio. Kitano reescreveu o roteiro para não ter sua imagem associada apenas ao mercado humorístico e tal mudança foi o principal acerto da obra.

Policial_Violento2
O filme que viria a se chamar ‘Violent Cop‘ (Policial Violento no Brasil) teve um sucesso moderado em sua época de lançamento no Japão e também teve um modesto sucesso em sua carreira internacional.  A sinopse: “Kitano interpreta Azuma, um detetive casca grossa no estilo Dirty Harry que usa métodos violentos para combater criminosos. Depois do suicídio de seu amigo Iwaki (um policial envolvido com drogas), e do sequestro de sua irmã por membros da Yakuza, Azuma quebra todas as regras de conduta abusando da violência para obter resultados!”
A obra é composta por um tom sombrio, realista e muito depressivo. Toda a violência não vem de forma coreografada, ela esta presente de forma tão natural que parece ‘real’, as sequências finais por exemplo, são bem gráficas e bem impactantes.
É interessante dizer novamente que esse é o primeiro filme de Kitano, e é difícil de acreditar que tudo foi filmado por um até então ‘diretor amador’. O filme contém alguns cortes abruptos e ângulos de câmera fora do padrão. Inexperiência talvez? Não sei, mas tudo ajuda e muito a criar a atmosfera do filme. Muitos aspectos do filme o tornam uma obra única! Como por exemplo uma perseguição ao som de JAZZ, as cenas gráficas de violência e um final que vai ficar com você por muito tempo!

Policial_Violento

Outras peculiaridades da obra são suas tomadas longas. Close-ups não duram mais de 10 segundos em quanto uma cena de caminhada em direção ao frame dura 57 segundos, além de é claro, um personagem silencioso, característica que estaria em outros grandes trabalho de Kitano como ‘Hana-Bi: Fogos de Artifício‘ e ‘SONATINE‘.
O filme não conta com diálogos explicativos ou monólogos porém em nenhum momento as motivações de cada personagem traz dúvida ao telespectador. As sequências violentas são longas, sempre que vemos Azuma espancando uma vítima, seja ela um criminoso ou uma criança, não temos muitos cortes e as cenas não são editadas para esconder a brutalidade, é tudo bem cru!
Brutal talvez seja a palavra perfeita para descrever o desfecho do filme! Tudo que foi construído lentamente durante o longa, chega à um clímax sangrento e trágico. O sentimento de vazio depois que os créditos sobem talvez seja o que mais vai lhe chocar. Em dias que poucas coisas conseguem nos impactar o final de Policial Violento com certeza ficará com você por um longo tempo, trazendo vazio, nó no estômago e uma reflexão profunda e irreversível que geralmente não se está presente em um filme desse porte. Aqui se inicia a carreira de um gênio!

Obs.: Filme não lançado em DVD no país… Infelizmente.

Anúncios

Teaser trailer do filme “The Merciless”

“The Merciless” (Bulhandang), terceiro filme do diretor Byun Sung-hyun, estreia hoje, dia 17/05/2017, na Coreia do Sul e assim como The Villainess, será exibido no dia 24 desse mês no ‘Festival de Cannes’ como parte das ‘Sessões da Meia-noite‘. O elenco conta com Kyoung-gu Sul (Pânico na Torre) e Si-wan Yim (One-line).

Sinopse: Jae-ho é um líder de uma gangue extramamente perigoso temido. Dentro da prisão, criou sua própria lei na qual todos os outros prisioneiros são submetidos. O que ele não imaginava era que, com a chegada de Hyun-soo, um homem que não costuma respeitar regras, sua autoridade viria a ser questionada.
(Sinopse de acordo com o site AdoroCinema)

 


(Pôster de divulgação do ‘Festival de Cannes’).

Kim Ok-bin ‘badass’ no novo filme de Jung Byung-gil.

The Villainess é o nome do novo trabalho de Jung Byung-gil (Confession of Murder, 2012), o filme será distribuído pela Next Entertainment World e terá no elenco Kim Ok-bin (Sede de Sangue) e Shin Ha-kyun (Mr Vingança).

A história acompanhará Sook-hee (Kim Ok-bin), uma assassina treinada, que sairá em busca de vingança contra o homem que matou seu marido.
The Villainess está marcado para estrear em junho na Coreia do Sul, e terá sua premiere no Festival de Cannes que acontecerá nesse mês de maio entre os dias 17-28.

Fonte: http://www.its-new.co.kr/movieInfo.aspx?idx=560&menucode=2&l=1&t=299

Crítica: Mr. Vingança (복수는 나의 것 ) [2002]

Para os amantes do cinema, um nome sempre fica no radar quando um novo projeto é anunciado, Park Chan-wook. O diretor sul coreano ganhou a atenção da mídia em 2000 com o sucesso de público e crítica “Zona de Risco“, dois anos depois, o diretor nos brindou com o primeiro filme de sua trilogia temática sobre vingança (Oldboy e Lady Vingança são os outros dois). O filme Sympathy for Mr. Vengeance (Mr. Vingança no Brasil) talvez seja o menos acessível da trilogia, pela sua narrativa complexa, com vários personagens interligados através de motivações diferentes mas que tem um objetivo em comum: Vingança!

A história inicialmente acompanha um jovem surdo-mudo chamado Ryu (Ha-kyun Shin), que desesperadamente tenta conseguir um transplante renal para sua irmã (Ji-Eun Lim), porém Ryu foi despedido da fábrica de onde trabalhava, e sem condições financeiras, faz um trato com vendedores de órgãos clandestinos, mas imediatamente se torna uma vítima dos vendedores. Então, juntamente com sua namorada anarquista (Doona Bae) planejam sequestrar a filha do dono da fábrica onde Ryu trabalhou, para com o dinheiro do resgate, pagar o transplante para sua irmã. Inicialmente, o plano era que ninguém se machucasse mas infelizmente, as coisas fogem do controle.
Pode-se dizer que esse filme é um trágico conto de comédia de erros, com um forte apelo emocional. Uma vez que uma tragédia acontece, ela serve de catalisador para uma sequência de eventos violentos que levará todos personagens a buscar vingança.
É nesse filme que Park Chan-wook estabiliza seu tom violento de narrar histórias, fazendo todos atos serem impactantes e brutais e mesmo assim, contribuem para a narrativa e pro andamento da história. Nenhuma morte em Mr. Vingança é simplesmente ‘uma morte’, todas elas vem de formas punitivas, mortes longas, e Park nos faz testemunhar todo o acontecimento em detalhes, sem pressa de cortar para a próxima cena. Além de toda essa carnificina, está presente também, o humor ácido do diretor.

Sendo Ryu um surdo-mudo, o filme possui cenas de plena ‘quietude’, e isso contribui de forma peculiar para a narrativa, incluindo a “primeira cena de sexo da história composta por linguagens de sinais” (é mais engraçado do que parece), essa ‘tranquilidade’ em volta do personagem também me fez lembrar das grandes obras do diretor/ator Takeshi Kitano, que por várias vezes, conta suas histórias através do silêncio e imagem. Algumas vezes, o filme A Scene at the Sea de 1991, onde Kitano também fez a escolha de ter um personagem surdo-mudo, vinha na minha cabeça.


A execução de todos esses elementos narrativos fazem Mr. Vingança quase um conto Shakespeariano, inclusive, assim como todos os trabalhos do diretor, os personagens são muito bem trabalhados e ainda é palco de grandes atuações, em destaque o grande Song Kang-ho (Memórias de um Assassino, Zona de Risco) que interpreta Park Dong-jin, o dono da fábrica onde Ryu trabalhava e que tem a filha sequestrada.

Apesar de conter vários atos de vingança, por vários personagens, o filme ainda contém uma reviravolta incrível nos últimos minutos que fecha a história com chave de  ̶s̶a̶n̶g̶u̶e̶  ouro. É incrivelmente difícil não se simpatizar pelos personagens, apesar de testemunharmos todos seus atos violentos e claramente sabermos que eles estão cometendo atos terríveis, simpatia essa que está presente inclusive no título original do filme (Sympathy for Mr. Vengeance), mas que se perdeu no título brasileiro, que foi chamado apenas de Mr. Vingança.

Cada segundo de Mr. Vingança é preenchido com uma informação útil sobre os personagens, suas motivações e sentimentos, portanto, muita atenção aos detalhes!
Por duas horas, Park Chan-wook consegue segurar a atenção, incomodar, e brincar com os sentimentos do telespectador, nos fazendo cúmplices desse trágico conto sobre vingança. Um drama difícil de escolher lados.

P_20170505_154448
A edição brasileira do filme foi lançada pela Platina filmes, embora eu seja eternamente grato ao filme ter sido lançado em DVD no país, a imagem não está lá essas coisas. Os extras são dispensáveis e os trailers iniciais são impossíveis de pular. Espero que um dia seja relançado com uma qualidade melhor!

Avaliação: ★★★★★ (Ótimo)
Duração: 2 hr 9 min (129 min)
Idioma: Cantonês
Elenco: Song Kang-ho Song, Shin Ha-kyun, Doona Bae
Diretor: Park Chan-wook
 

“The Night Comes for Us” filme reunirá mais uma vez os astros de The Raid!

Em 2014, a pré-produção do filme The Night Comes For Us foi paralisada por motivos desconhecidos. O filme seria dirigido pelo diretor indonésio Timo Tjahjanto que é conhecido pelas direções conjuntas de Kimo Stamboel (popularmente “The Mo Brothers”), que inclusive foram os diretores de Headshot.
Mês passado, ainda de acordo com o diretor Tjahjanto, “The Night Comes for Us” está definitivamente a todo vapor!
The Night é um neo-noir thriller que é estrelado por Joe Taslim (Operação Invasão), Sunny Pang (Headshot) e Julie Estelle (Operação Invasão 2, Headshot). A coreografia será feita pelo “The Iko Uwais Team” encabeçado por Iko Uwais (Operação Invasão) e Very Tri Yulisman (Operação Invasão 2).
O ex-judoca Joe Taslim viverá Ito, um gangster que se vê no meio de um traiçoeiro e violento conflito entre os membros de sua própria família. O filme tem previsão de lançamento ainda para 2017.

“Triple Threat” O filme que reunirá Iko Uwais, Tony Jaa e Tiger Chen pela primeira vez!

Tony Jaa (Ong Bak), Tiger Chen (O Homem do Tai Chi) e Iko Uwais (Operação Invasão)
irão estrelar o novo filmes de Jesse V. Johnson (Savage Dog), o filme é descrito como “Os Mercenários com artes marciais. O filme ainda vai contar com Michael Jai White (Lutador de Rua), Scott Adkins (Soldado Universal – Juízo Final), Celina Jade (Skin Trade), Jeeja Yanin (Chocolate) e o lutador da UFC Michael Bisping.
De acordo com o “The Hollywood ReporterTriple Threat se inicia após a filha de um bilionário se tornar o alvo de mercenários de um cartel. Tony Jaa, Tiger Chen e Iko Uwais serão os protagonistas que ajudarão a filha do bilionário e os vilões serão os americanos Michael Jai White, Scott Adkins e Michael Bisping.
Segundo o IMDB o filme se encontra em pré-produção e será lançado ainda em 2017, para a nossa alegria!

“Paradox” Novo filme de Tony Jaa!

 Paradox é o nome do novo filme estrelado por Tony Jaa (Ong Bak, O Protetor), será dirigido por Wilson Yip (Ip Man, SPL: Kill Zone) e ainda terá o grande Sammo Hung (Dragões para Sempre) como diretor de ação.
As filmagens começaram em Bangkok em 29 de outubro de 2016, onde foi realizada a cerimônia de lançamento da filmagem, que contou com a participação dos produtores Cheang Pou-soi e Paco Wong, do diretor Wilson Yip, do diretor de ação Sammo Hung e dos membros do elenco Louis Koo (Drug War), Tony Jaa (Ong Bak),  Wu Yue (Cold War 2), Gordon Lam (Drug War, Cold War), e Ken Lo (Police Story 2, Massacre no Bairro Chinês).
Para seu papel como um assistente de um candidato à prefeito de Bangkok, Gordon Lam estará aprendendo a falar tailandês. As filmagens de Paradox foram finalizadas oficialmente após mais de três meses de filmagem em Hong Kong e Tailândia em fevereiro de 2017.