Oh 2018! O que tem para nos oferecer?

Em termos cinematográficos, 2018 não parece um ano muito promissor — no meu ponto de vista, claro — pois tudo indica que será um ano morno (com base nos projetos já anunciados). Infelizes como bem sabemos que somos, muitos filmes não devem chegar ao nosso circuito, então digo em relação e unicamente a ele. ‘Pantera Negra está em cartaz‘, eu não poderia ligar menos. ‘Deadpool 2 vem aí‘, impossível um desinteresse maior do que o meu… Então o que me resta?

Na verdade, o circuito americano, pelo menos aqueles filmes da qual tenho acesso na cidade onde vivo, já não me agradam à muito tempo (com poucas exceções). Comprar DVDs e Blu-rays já se tornou muito mais do que um simples hobbie, e sem medo de ser feliz, baixar aquele mkv 1080p de 8Gb ou 20Gb para acompanhar os filmes não lançados por aqui é uma rotina. Afinal, não é pirataria, pois não se tem o que piratear. E afinal, a própria imprensa especializada utiliza meios alternativos para se ter acesso à filmes e séries, afinal, como acham que se foram feitas reviews de The Handmaid’s Tale por exemplo?

Se lançarem em home video, comprarei, se exibirem, lá estarei eu. Como foi o caso de Invasão Zumbi (título sofrível para Train to Busan) que chegou a ser exibido por aqui. Se pudesse, levaria até meu cachorro para a sala, e pagaria o ingresso de bom grado para dar o meu suporte à filmes Coreanos (e de outras nacionalidades da Ásia ou Europa em geral) nas salas brasileiras.

Apesar do desinteresse pelo circuito americano, assisti 90% de todos filmes indicados ao Oscar (essa foi minha programação de carnaval). Filmes de fraco para péssimos. Isso só reforça o meu pensamento de que essa premiação é uma besteira sem sentido. Ainda assim, lá estarei eu, no dia 4 de março, sintonizado na TNT, vendo a cobertura completa e claro, a entrega das estatuetas. Quem sabe não rola uma gafe nova esse ano? E quem sabe não seja um nojo extremo como foi o Globo de Ouro, com aquela tal de #TimesUp. Não se enganem, eu não sou contra a causa, mas sim com a infestação excessiva do tema na premiação e dos longos discursos (Fora Oprah). Afinal, isso é um evento de premiação cinematográfica, então mantenham a campanha lá no tapete.

Até o momento em que escrevo, já se somaram 86 filmes visto nesse ano, um número relativamente alto se levarmos em conta que ainda estamos em fevereiro. São filmes italianos maravilhosos de Visconti, russos do incrível Tarkóvski ou Japoneses de Ozu. Não importa a nacionalidade, cinema bom existe em todo canto do mundo.

Minhas atenções finalmente se voltaram para lançamentos (tirando os do Oscar, estava vendo apenas filmes clássicos), e finalmente assisti um dos filmes mais esperados de 2017, que só vim ter acesso agora, em janeiro de 2018 (por que será?), com legendas em inglês — Deus abençoe Final Fantasy e Metal Gear Solid por ter me ensinado inglês na adolescência — o filme em questão é V.I.P. de Park Hoon-Jung, que dirigiu o ótimo ‘Novo Mundo’ em 2013. Estava particularmente ansioso para ver Jang Dong-gun em tela, gosto do cara em tela. O resultado não poderia ter sido mais decepcionante, enredo plastificado, bagunçado. Um filme que começa realista, e que se perde em devaneios, parecendo uma fábula criminal dividida em capítulos. Salvo apenas algumas sequência de ação muito bem conduzidas por Hoon-Jung. Minha consciência diz que a nota final é 2/5, a decepção foi tão grande que desisti de escrever mais aprofundadamente sobre o filme, uma lástima.

Ainda me restam mais lançamentos de 2017 para ver. Chasing the Dragon é o próximo, Donnie Yen é quase um Guilty Pleasure. Battleship Island, só de ter Hwang Jung-min no elenco, no mínimo já atiça minha curiosidade. A ficção de Lee Sa-rang “Real” e estou no aguardo do capítulo final da saga Yakuza de Takeshi Kitano: ‘Outrage Coda’.
Todos são de 2017, pendentes na minha watchlist. Agora é mediar o tempo, entre a leitura, o trabalho, os estudos e a sétima arte.

Estive pensando em iniciar outro blog, para filmes (e outras coisas) do mundo a fora. Já que não quero descaracterizar esse espaço para o conteúdo asiático. Assim poderei saciar o meu desejo de falar sobre Luchino Visconti, Andrei Tarkóvski. Mizoguchi e Ozu falarei por aqui mesmo, sem medo de os misturar com meus violentos Guilty Pleasures.

Olhando para frente, ainda não me encantei com nenhum futuro lançamento, talvez esteja muito no início para acusar 2018 de ser um ano fraco. Ainda estamos no mês 2 mas olhando para os próximos 4 meses, que já tem muitos e muitos títulos anunciados, a expectativa é nula. O bom é que sobra mais tempo para revisitar e conhecer novos clássicos do cinema do mundo a fora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s